Compartilhe

Muitas podem ser as razões de crises enfrentadas pelas empresas e quando os problemas se tornam uma avalanche e a diretoria do negócio não consegue enxergar uma solução, pode ser o momento de procurar por uma mentoria e aconselhamento empresarial.

Com mais de 35 anos no mundo corporativo e desde 2015 à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, hoje trago um artigo para esclarecer sobre mentoria e aconselhamento empresarial.

Por que as empresas fecham?

Pesquisa realizada pela empresa norte-americana, CB Insights, apontou os principais erros em uma empresa que podem levá-la a fechar as portas, dentre eles, estão:

  • Não focar na real demanda do mercado;
  • Má-administração dos recursos financeiros;
  • Não ter uma equipe de colaboradores com as habilidades necessárias;
  • Despreparo quanto à concorrência;
  • Não ouvir as sugestões de melhorias por parte dos consumidores;
  • Não ter abertura para repensar o modelo de negócio diante do contexto;
  • Não investir em ações de Marketing e Comunicação;
  • Não ter “paixão” pelo negócio ou propósitos sólidos;
  • Problemas para atrair investidores;
  • Falta de foco no crescimento da empresa.

Muitas podem ser as razões de crise, somado a isto, tivemos uma pandemia mundial que durou pouco mais de dois anos e que chacoalhou o mercado, despertou empresas para se reinventarem e também levou muitas outras a problemas por resistirem às transformações.

Crises são inevitáveis no ambiente empresarial, mas é possível lidar com elas de forma estratégica se não houver resistência a pedir auxílio.

Mentoria e aconselhamento empresarial – quando é hora de pedir ajuda?

Mentoria e aconselhamento são a mesma coisa? Sim, são funcionalidades que se complementam e podem ser muito úteis às necessidades do negócio.

O aconselhamento/mentoria consiste em obter uma orientação de acordo com a realidade da empresa e possíveis caminhos que poderiam ser traçados.

Quando o negócio precisa tomar importantes decisões e sente-se perdido quanto a quais rumos tomar, optar pela mentoria pode ser a melhor alternativa.

O cuidado está a quem pedir o aconselhamento/mentoria, afinal, é o futuro da empresa que estará em jogo, portanto é preciso se certificar de que seja um profissional experiente, que possa dar o norte diante da realidade do negócio e o que pode ser feito com considerações de curto e longo prazo.

Dentro da metodologia da mentoria ou mentoring estão as seguintes habilidades:

  • Ajuda;
  • Guia;
  • Transmissão de conhecimento;
  • Entrega;
  • Capacitação;
  • Gerar experiência ao profissional menos experiente (mentorado).

Na mentoria, ocorre uma espécie de “apadrinhamento” em que o gestor da empresa receberá direcionamentos para que consiga solucionar problemas (de gestão no geral ou financeiros).

A mentoria e aconselhamento empresarial caminham juntas e também atuam no fortalecimento emocional do mentorado à medida que um profissional experiente transmite as suas experiências vividas e aquilo que realizou, a fim que se sejam evitados os mesmos erros ou para que seja percorrido um caminho de maior sucesso na resolução de conflitos.

Obviamente não se deve confundir a mentoria com o atendimento terapêutico, afinal, são especialidades distintas, sendo a última de responsabilidade apenas de um profissional da área da saúde, mas de alguma maneira, a mentoria pode assumir um “caráter terapêutico”, afinal, a visão de um especialista de fora do negócio, sem os vícios processuais da empresa, trazem clareza aos problemas que precisam ser solucionados.

E se o problema da empresa for mais complexo?

A função da mentoria é direcionar o negócio, trata-se de sessões que são contratadas para o aconselhamento/direcionamento à empresa. A ideia desse direcionamento é despertar o gestor para as mudanças que precisa realizar, é dar um norte, porém será ele quem deverá agir na direção das orientações que foram apresentadas.

Em minha atuação como mentor, proponho um questionário antes da contratação deste serviço em que os gestores podem responder sobre o que esperam com este atendimento.

Em muitos casos, logo nesse “pré – atendimento” por meio de questionário, já percebo que a necessidade da empresa é mais complexa e demandaria um maior acompanhamento, ou seja, a empresa demonstra problemas enraizados em sua gestão financeira e global e necessita de atendimento de um consultor.

A consultoria é um trabalho mais focado na identificação e resolução de problemas pontuais que a empresa está enfrentando e, em grande parte dos casos, nem mesmo os responsáveis pela organização conseguem saber o que está acontecendo.

O consultor terá um trabalho mais voltado ao “restabelecimento” dessa empresa, apresentando ferramentas e instrumentos que o negócio poderá aplicar em sua gestão.

A consultoria torna-se uma necessidade quando a empresa está enfrentando dificuldades que estão colocando em risco a sua gestão financeira e competitividade no mercado.

Mentoria e consultoria: deve-se contar com as duas especialidades?

Enquanto a consultoria possui atuação mais pontual na resolução dos problemas da empresa, embora também a oriente para ações futuras, a mentoria possui o papel de manter os gestores alinhados às mudanças no negócio.

A mentoria pode auxiliar os gestores a estarem mais sensíveis na identificação de “pontos cegos” que estejam impedindo a empresa de caminhar de forma mais saudável.

Enquanto a consultoria trata os problemas da empresa, a mentoria tem a função de dar suporte “emocional” aos gestores, auxiliando em tomadas de decisões mais assertivas para o bem comum da empresa.

 

Gostou do conteúdo? Compartilhe. Lembre-se que na MORCONE Consultoria Empresarial pensamos em cada parte do seu negócio, utilizando metodologias e práticas inteligentes.

Veja também:

Diversidade no conselho de administração – O que significa?

Planejamento e controle. Será que a sua empresa faz isso corretamente?


Compartilhe