Compartilhe

Essa crise mundial por conta do novo coronavírus tem afetado milhares de negócios no mundo. Diante desse cenário, o meu papel como consultor empresarial é apontar onde estão os problemas para que a empresa tenha condições de em tempo hábil repará-los, e mais, o objetivo é que essa empresa continue no mercado e tenha lucratividade.

Estou desde 2015 à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, atendendo aos micro, pequenos, médios e grandes negócios e com minha experiência de mais de 35 anos no mundo corporativo, trago um artigo especial sobre: o que o empresário precisa ter para enfrentar crises?

Sempre enfrentaremos crises econômicas no Brasil e no mundo. Para falar sobre esse assunto farei uma analogia entre as crises e uma corrida de 1.000 metros com barreiras a cada 100 metros em que o corredor tem que saltar. O espaço entre cada barreira representa o espaço entre uma crise e outra. Cada barreira seria literalmente a crise. O que varia nessa corrida é a altura de cada barreira, ou seja, a intensidade da crise, mas a certeza é: a crise virá.

Estamos nesse momento diante de uma barreira muito alta, e em que a decorrência do caos surgiu de uma força muito maior que é a saúde pública mundial.

Dentre as maiores crises financeiras mundiais temos a Crise de 1929 que se estendeu por toda a década de 1930; a crise dos mercados emergentes em 1994; a crise do subprime, de 2007/2008, considerada uma das piores desde o crash da Bolsa de Valores de Nova York e agora estamos diante de uma crise, já considerada pior do que a crise de 2008 e que pode gerar uma recessão sem precedentes no mundo.

Confira: Responsabilidade do conselho de administração em tempos de pandemia

Diante desse cenário de pandemia, o que o empresário precisa ter para enfrentar crises?

A realidade do mundo empresarial e no cenário econômico é que sempre que uma crise termina, em pouco espaço de tempo teremos outra. O que está em jogo nessa realidade, é qual o preparo que este empresário (MEI, ME, EPP e médio), precisa ter para enfrentar esta maratona.

Planejamento Empresarial

Uma vez que a empresa já está funcionando, o empreendedor precisa fazer o que chamo de “olhar pelo retrovisor”, ou seja, precisa olhar para os últimos 12 meses, efetuar uma análise mês a mês, ou seja, é preciso fazer o diagnóstico dos resultados obtidos até o momento.

O empresário só aprende com os acertos e erros se tiver a humildade de reconhecê-los, isso ajuda na criação de soluções. O planejamento é esse mapa do passado, presente e que aponta direções para o futuro.

Capacitação em Gestão Empresarial

Há alguns requisitos para que o empreendedor tenha uma empresa, dentre eles, a capacitação em gestão empresarial. A unidade federativa que tem o menor índice de mortalidade de empresas é o estado de Santa Catarina, e isso ocorre porque para que se consiga uma inscrição estadual é preciso que se tenha uma certificação num curso de capacitação em gestão empresarial, ou seja, quem tem interesse naquela região em ter um negócio, precisa comprovar capacidade empresarial.

Quem vai dirigir um veículo, precisa passar por todo um processo para conseguir a certificação e se tornar habilitado para dirigir, é algo óbvio a ser dito, mas com o empresário não é diferente, é preciso estar capacitado para estar à frente da empresa.

Capacidade de negociação

Com essa crise, a negociação se torna essencial. A queda de faturamento leva à necessidade de que o empresário negocie com os seus fornecedores para conseguir um melhor prazo para cumprir os seus compromissos.

É possível aprender por meio de técnicas de vendas, mas é observando, lidando no dia a dia que se aprimora cada vez mais essa habilidade. Negocie com fornecedores, com colaboradores, enfim, use da comunicação assertiva. Sempre será preciso abrir algumas concessões e ceder também, e em períodos de crise isso é ainda mais necessário.

E quando se fala no caso da necessidade de obter linhas de crédito, é fundamental pesquisar e tentar negociar as melhores condições e taxas.

Gerir com muito cuidado o capital de giro

Esse foi tema de um artigo recente e realmente esses cuidados na gestão do capital de giro são fundamentais e em um período como esse de crise econômica, é evidente que as empresas que sempre tiveram cuidado quanto a isso, têm conseguido lidar melhor com a crise.

É algo básico quando se fala em gestão financeira, mas muitos negócios não se preocupam com o mínimo e em um momento conturbado como esse, infelizmente, entram em colapso.

Comportamento Antifrágil

Quando digo preparo, me refiro não apenas às capacidades técnicas, que devem ser constantemente atualizadas, mas principalmente às capacidades emocionais desse empresário.

O empreendedor precisa ser antifrágil. Esse conceito surgiu após pesquisas realizadas pelo professor libanês da Universidade de Nova York, Nassim Nicholas Taleb, um dos mais importantes nomes do mundo quando o assunto é mercado financeiro. Um dos livros mais conhecidos de Taleb é Antifrágil: coisas que se beneficiam com o caos.

Resumindo, segundo o pesquisador, o oposto de frágil não é forte, mas antifrágil. Frágil é o que sai prejudicado, quebrado, rompido ou deformado, já o antifrágil é o que se torna ainda melhor diante do caos.

Diante da crise, o recomendado é procurar alternativas e não se esconder atrás dos problemas ou não encará-los. Procurar ajuda profissional também é indicado e o ideal é não esperar o problema se agravar e ganhar força.

Se precisa de auxílio para enfrentar a crise. Entre em contato com a MORCONE Consultoria Empresarial


Compartilhe