Saiba por que os propósitos na Governança Corporativa são imprescindíveis

propósitos na governança corporativa
Compartilhe

Muito se fala no valor do propósito, seja no ambiente empresarial ou fora dele. Propósito pode ser compreendido como uma maneira única e autêntica em que uma empresa marca presença no mercado.

Na minha visão, com minha experiência de mais de 35 anos no mundo empresarial e desde 2015 à frente da MORCONE Consultoria Empresarial, acredito no valor dos propósitos na governança corporativa (GC) em todas as vertentes que a compõem.

Os propósitos fazem parte dos “8Ps” na GC que são: propriedade; princípios; propósitos; poder; processos; práticas; perenidade e pessoas.

Confira: Responsabilidade na governança corporativa – Além das aparências

Entenda a relação dos propósitos na Governança Corporativa

Os propósitos na governança corporativa atuam:

  • No direcionamento de médio-longo prazo;
  • Estão em constante alinhamento com as expectativas dos proprietários;
  • Proporcionam clareza na definição de diretrizes de grande alcance;
  • Ajudam na definição de estratégias;
  • Propósitos estão focados em retornos.

Os propósitos podem ser classificados em:

  • Propósito orientador (missão);
  • Propósito empresarial (visão).

Propósito orientador é a missão da empresa, é a sua razão de existência. Mas a reflexão vai além disso, faz parte da missão da empresa corresponder às expectativas do ambiente externo. Qualquer estratégia traçada pela organização precisa estar alinhada com a missão.

Não basta uma empresa afirmar que tem propósitos. Os propósitos na governança corporativa precisam ser declarados de maneira ampla e duradoura, de forma que a empresa se destaque frente ao mercado.

A missão (propósito orientador) tem o papel de nortear a empresa em longo prazo e para cumprir com esses propósitos, também se torna claro quais atitudes precisam ser evitadas.

Cada empresa tem a sua missão específica e tê-la serve como norte para as decisões que precisará tomar ao longo do tempo.

Não é tarefa nada simples para uma empresa realizar a definição de missão, mas será ela a responsável no processo que envolve o desenvolvimento de estratégias e a concentração de recursos para a sua atuação.

A missão de uma empresa precisa de fato se materializar em seu cotidiano, em suas decisões, em seus processos e resultados.

Já o propósito empresarial é a visão do negócio, e está mais relacionado à sua trajetória. É a imagem do futuro que almeja alcançar, que passa, obviamente, pelo propósito orientador.

A visão de uma organização é definida mediante a resposta de algumas perguntas:

  • Como a empresa se vê em longo prazo?
  • Onde a organização pretende estar em determinado período, quem deseja atender e quais tipos de produto deseja oferecer?
  • De que maneira a empresa deseja ser enxergada pelos seus clientes?
  • Essa visão pode ser alcançada pela organização?

O conceito em torno da definição do propósito empresarial exige clareza e objetividade e aí reside a complexidade nessa definição. Esse propósito precisa ser ético, inspirar e ter valor.

Leia: Principais pautas para o Conselho de Administração em 2020

Principais desafios relacionados aos propósitos na Governança Corporativa

Uma vez definidos os propósitos (empresarial e orientadores), é preciso que a organização caminhe dentro desses propósitos. Na governança corporativa, esses propósitos assumem o papel de conduzir todos os processos no negócio.

Conselho de Administração; Auditoria Independente; Conselho Fiscal; a conduta e conflito de interesses, e todos os demais pilares e princípios da governança corporativa, precisam ter o propósito como a principal bússola.

Um dos principais desafios, que percebo, entre muitas empresas, é de fato vivenciar uma realidade em que os seus propósitos estão claramente definidos. Muitos negócios, mesmo após considerável tempo no mercado, ainda divagam quando questionados sobre os seus propósitos, e essas dúvidas, de alguma maneira, reverberam sobre as decisões e desenvolvimento da empresa.

Empresas que estão no mercado, mas não sabem qual o sentido de sua existência, em algum momento enfrentarão crises de identidade, que podem colocar a sua permanência no mercado em jogo.

Quando menciono a conduta e conflito de interesses como uma das áreas em governança corporativa afetadas diretamente pelos propósitos, é porque essa consciência empresarial, quando presente em todos os membros da organização, pode atuar, inclusive, na resolução de conflitos, apontando os melhores caminhos e alternativas para solução.

Propósitos na governança corporativa diminuem o medo na tomada de decisões, afinal, quando a missão e a visão do negócio estão bem claras, se torna muito mais fácil estabelecer estratégias, definir metas, repensar constantemente a atuação no presente e se realmente está de acordo com os propósitos de sua existência.

Propósitos na governança corporativa representam o fio condutor de todas as engrenagens na estrutura de uma organização, é o que alinha todas as bases e aprofunda a aplicação dos conceitos em GC.

Esses propósitos precisam estar alicerçados na cultura organizacional, fazer parte de todas as lideranças, ser parte fundamental no treinamento de pessoas, conduzir o processo de relacionamento com os clientes, entre tantas outras atuações vitais para que não apenas mantenham uma organização no mercado, mas auxiliem em seu desenvolvimento.

Quais os propósitos de sua empresa? Acredita que o seu negócio está caminhando e tomando decisões com base nos propósitos definidos?


Compartilhe

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.